Tribunal nigeriano rejeita ação de direitos humanos movida por executivo da Binance

Por:
em Jun 20, 2024
Listen
  • O tribunal rejeitou o processo de direitos humanos de Nadeem Anjarwalla devido à sua ausência e falta de representação legal.
  • Tigran Gambaryan continua numa prisão de segurança máxima apesar das acusações de evasão fiscal terem sido retiradas.
  • O caso destaca os riscos enfrentados pelos executivos de criptomoedas em regiões com regulamentações rígidas.

Siga o Invezz no TelegramTwitter e Google Notícias para notícias de última hora >

Um tribunal nigeriano em Abuja rejeitou o processo de direitos humanos movido contra as autoridades nigerianas por Nadeem Anjarwalla, um executivo da Binance.

Você está procurando sinais e alertas de traders profissionais? Registre-se no Invezz Signals™ GRATUITAMENTE. Leva 2 minutos.

Anjarwalla, chefe regional da Binance na África, e Tigran Gambaryan, chefe do Departamento de Conformidade com Crimes Financeiros da Binance, foram detidos em 28 de fevereiro após se reunirem com autoridades nigerianas para resolver disputas regulatórias.

Antecedentes do caso

Copy link to section

A repressão às bolsas de criptomoedas pelas autoridades nigerianas intensificou-se nos últimos anos. O Banco Central da Nigéria concentrou-se particularmente na Binance, acusando a bolsa de manipulação monetária e transações ilícitas.

Este ambiente criou desafios significativos para a Binance e outras plataformas de criptomoeda que operam na região.

Anjarwalla, um queniano britânico, respondeu processando o conselheiro de segurança nacional da Nigéria, Nuhu Ribadu, e a agência anticorrupção do país, a Comissão de Crimes Económicos e Financeiros (EFCC), em Março.

Ele alegou abusos dos direitos humanos, maus-tratos durante a detenção e violações dos direitos ao devido processo. Na sequência destes acontecimentos, Anjarwalla fugiu da Nigéria utilizando um passaporte oculto, deixando para trás a sua representação legal e o sistema jurídico do país.

Decisão judicial e suas implicações

Copy link to section

O juiz Inyang Ekwo rejeitou o caso de Anjarwalla devido à sua ausência e falta de representação legal. O advogado nigeriano de Anjarwalla, Tonye Krukrubo, retirou a sua representação após a fuga de Anjarwalla.

Esta decisão sublinha a importância da representação legal nos casos em curso e destaca as complexidades enfrentadas pelos executivos estrangeiros que lidam com as autoridades nigerianas.

Apesar da rejeição do tribunal, o caso de Gambaryan continua ativo. O juiz Ekwo adiou a audiência de Gambaryan para 9 de julho, com uma multa de 50.000 nairas (33 dólares) imposta ao seu advogado por solicitar a alteração do processo.

Gambaryan continua detido numa prisão de segurança máxima em Abuja, mesmo depois de a Nigéria ter retirado as acusações de evasão fiscal contra ele e Anjarwalla no início do mês.

Tensões jurídicas e políticas em curso

Copy link to section

A contínua detenção de Gambaryan atraiu a atenção internacional, com o CEO da Binance, Richard Teng, criticando as ações do governo nigeriano. Teng sugeriu que Gambaryan, um ex-agente federal dos EUA, está detido para exercer pressão sobre a Binance.

“A mensagem do governo nigeriano é clara: devemos deter um funcionário inocente de nível médio, um ex-agente federal dos EUA, e colocá-lo em uma prisão perigosa para controlar a Binance”, afirmou Teng em comunicado de 7 de maio.

As batalhas legais envolvendo executivos da Binance refletem questões mais amplas em torno da regulamentação das criptomoedas na Nigéria.

As medidas rigorosas do governo contra as exchanges de criptomoedas aumentaram as tensões e complicaram o cenário operacional para as empresas internacionais de criptomoedas.

Desenvolvimentos futuros e implicações para a indústria criptográfica

Copy link to section

À medida que os procedimentos legais continuam, os resultados provavelmente influenciarão o ambiente regulatório para as operações de criptomoeda na Nigéria e possivelmente em outras regiões.

O caso em curso de Tigran Gambaryan será observado de perto pelas partes interessadas da indústria, uma vez que poderá estabelecer precedentes sobre a forma como casos semelhantes serão tratados no futuro.

A situação também ressalta os riscos enfrentados pelos executivos de criptomoedas que trabalham em regiões com estruturas regulatórias rígidas.

Destaca a necessidade de estratégias jurídicas abrangentes e de sensibilização para as leis e regulamentos locais para enfrentar estes desafios de forma eficaz.

A rejeição do processo de direitos humanos de Nadeem Anjarwalla contra as autoridades nigerianas marca um desenvolvimento significativo na saga legal em curso envolvendo executivos da Binance.

Com o caso de Gambaryan ainda pendente, a comunidade das criptomoedas acompanhará de perto os resultados e as suas potenciais implicações para a indústria.

O cenário regulatório em evolução na Nigéria continua a apresentar desafios e incertezas para as empresas internacionais de criptografia que operam na região.

Este artigo foi traduzido do inglês com a ajuda de ferramentas de IA, tendo sido depois revisto e editado por um tradutor local.

Mundo